Notícias
  09/04/2015 às 14h56

Um Jair Rodrigues também sertanejo


Um Jair Rodrigues também sertanejo

Com a notícia da morte de Jair Rodrigues na manhã da última quinta-feira, muitos textos sobre ele foram escritos.

Acredito que não seja possível definir Jair como cantor de um estilo específico, apesar da identificação com o samba, pois como é de conhecimento geral, ele caminhou por diversas praias e gravou com nomes de diversos gêneros musicais, inclusive sertanejos.

Sua maior contribuição para o sertanejo foi, indiscutivelmente, a interpretação de “Disparada”, composição de Geraldo Vandré e Théo de Barros vencedora do II Festival de Música Popular Brasileira, em 1966, que dividiu o primeiro lugar com “A Banda”, de Chico Buarque.

A canção atravessou os anos, virou um clássico sertanejo, e até hoje é muito cantava e regravada, mesmo que muita gente não saiba o sentido original dela.

http://migre.me/j9tLA

Outra passagem inesquecível dele pelo sertanejo foi a gravação de “Majestade, o Sabiá” ao lado de Chitãozinho e Xororó, a versão mais conhecida da música e provavelmente a melhor já feita até hoje.

Pra relemebrar o sucesso que foi a parceria, Chitão e Xororó convidaram Jair pra participar do último DVD deles, o “Sinfônico”, em comemoração aos 40 anos de carreira da dupla.

http://migre.me/j9tRV

De acordo com o pesquisador Ricardo Cravo Albin, em conversa com a Globonews, Jair Rodrigues não gostava da forma “menor” como a música sertaneja era tratada no ambiente da MPB, e esse foi um dos motivos que o fez começar a por canções sertanejas em seu repertório.

Encerrando o post, cito um disco do Jair, de 1991, chamado “Lamento Sertanejo”, todo composto por músicas sertanejas. 

Fonte: Universo Sertanejo


Compartilhe:
sombra

Promoções
sombra

Artista em Destaque

256
30

Amigos da Super